Área de Proteção Ambiental do Jalapão

Totalização de Espécies

  Flora Fauna Total
MamíferosAvesAnfíbiosRépteisPeixesInvertebradosOutros
Espécies Levantadas 434 56 214 25 44 45 0 0 818
Espécies Novas 4 0 0 0 0 0 0 0 4
Espécies Vulneráveis 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Espécies Endêmicas 3 1 14 0 0 1 0 0 19
Espécies Ameaçadas 27 10 9 0 0 0 0 0 46
Espécies Invasoras 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Espécies Raras 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Espécies da Fauna
Nome Científico Nome Popular Classe Ordem Família Sub-Família
⇒ Mamíferos
Alouatta caraya Bugio-do-pantanal Mamíferos Primates Atelidae --
Artibeus jamaicensis Morcego Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Blastocerus dichotomus Cervo-do-pantanal Mamíferos Artiodactyla Cervidae --
Cabassous tatouay Tatu-de-rabo-mole-grande Mamíferos Cingulata Dasypodidae --
Calomys callosus Rato-do-mato Mamíferos Rodentia Cricetidae --
Caluromys philander Cuíca-lanosa, Mucura-chichica Mamíferos Didelphimorphia Didelphidae --
Carollia perspicillata Morcego Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Cavia aperea Preá Mamíferos Rodentia Caviidae --
Cebus apella Macaco-prego Mamíferos Primates Cebidae --
Conepatus semistriatus Gambá, Cangambá, Jaritataca Mamíferos Carnivora Mephitidae --
Dasyprocta azarae Cutia amarela Mamíferos Rodentia Dasyproctidae --
Dasypus hybridus Tatu-mulita Mamíferos Cingulata Dasypodidae --
Desmodus rotundus Morcego-vampiro Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Didelphis aurita Gambá-de-orelha-preta Mamíferos Didelphimorphia Didelphidae --
Eira barbara Irara Mamíferos Carnivora Mustelidae --
Glossophaga soricina Morcego-beija-flor Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Gracilinanus agilis Catita, Guaiquica Mamíferos Didelphimorphia Didelphidae --
Leopardus pardalis Jaguatirica Mamíferos Carnivora Felidae --
Leopardus tigrinus Gato-do-mato Mamíferos Carnivora Felidae --
Lontra longicaudis Lontra Mamíferos Carnivora Mustelidae --
Mazama bororo Veado-bororó Mamíferos Artiodactyla Cervidae --
Micronycteris minuta Morcego Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Molossops temminckii Morcego Mamíferos Chiroptera Molossidae --
Myotis nigricans Morcego Mamíferos Chiroptera Vespertilionidae --
Myrmecophaga tridactyla Tamanduá-bandeira Mamíferos Pilosa Myrmecophagidae --
Nasua nasua Quati Mamíferos Carnivora Procyonidae --
Noctilio leporinus Morcego-pescador Mamíferos Chiroptera Noctilionidae --
Oligoryzomys chacoensis Rato do mato Mamíferos Rodentia Cricetidae --
Oxymycterus roberti Rato Fucinhudo Mamíferos Rodentia Cricetidae --
Ozotoceros bezoarticus Veado-campeiro Mamíferos Artiodactyla Cervidae --
Pecari tajacu Cateto, Caititu Mamíferos Artiodactyla Tayassuidae --
Phyllostomus discolor Morcego falso vampiro Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Phyllostomus hastatus Morcego falso vampiro Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Priodontes maximus Tatu-canastra Mamíferos Cingulata Dasypodidae --
Procyon cancrivorus Mão-pelada Mamíferos Carnivora Procyonidae --
Proechimys amphichoricus Rato do mato Mamíferos Rodentia Echimyidae --
Pteronotus parnellii Morcego Mamíferos Chiroptera Mormoopidae --
Saccopteryx bilineata Morcego Mamíferos Chiroptera Emballonuridae --
Sturnira lilium Morcego Mamíferos Chiroptera Phyllostomidae --
Tamandua tetradactyla Tamanduá-mirim Mamíferos Pilosa Cyclopedidae --
Tapirus terrestris Anta Mamíferos Perissodactyla Tapiridae --
Tayassu pecari Queixada Mamíferos Artiodactyla Tayassuidae --
Thylamys karimii catita Mamíferos Didelphimorphia Didelphidae --
Tolypeutes tricinctus Tatu-bola-da-caatinga Mamíferos Cingulata Dasypodidae --
⇒ Aves
Alipiopsitta xanthops papagaio-galego Aves Psittaciformes Psittacidae --
Amazona aestiva papagaio-verdadeiro Aves Psittaciformes Psittacidae --
Amazonetta brasiliensis Marreca pé-vermelho Aves Anseriformes Anatidae --
Anhinga anhinga biguatinga Aves Suliformes Anhingidae --
Anodorhynchus hyacinthinus arara-azul-grande Aves Psittaciformes Psittacidae --
Antilophia galeata soldadinho Aves Passeriformes Pipridae --
Ara ararauna arara-canindé Aves Psittaciformes Psittacidae --
Ara chloropterus arara-vermelha-grande Aves Psittaciformes Psittacidae --
Aramides cajanea saracura-três-potes Aves Gruiformes Rallidae --
Aratinga acuticaudata aratinga-de-testa-azul Aves Psittaciformes Psittacidae --
Aratinga aurea periquito-rei Aves Psittaciformes Psittacidae --
Aratinga jandaya jandaia-verdadeira Aves Psittaciformes Psittacidae --
Aratinga leucophthalma periquitão-maracanã Aves Psittaciformes Psittacidae --
Ardea alba garça-branca-grande Aves Pelecaniformes Ardeidae --
Ardea cocoi garça-moura Aves Pelecaniformes Ardeidae --
Arundinicola leucocephala freirinha Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Basileuterus leucophrys pula-pula-de-sobrancelha Aves Passeriformes Parulidae --
Brotogeris chiriri periquito-de-encontro-amarelo Aves Psittaciformes Psittacidae --
Bubulcus ibis garça-vaqueira Aves Pelecaniformes Ardeidae --
Busarellus nigricollis gavião-belo Aves Accipitriformes Accipitridae --
Buteo nitidus gavião-pedrês Aves Accipitriformes Accipitridae --
Butorides striata socozinho Aves Pelecaniformes Ardeidae --
Cairina moschata pato-do-mato Aves Anseriformes Anatidae --
Camptostoma obsoletum risadinha Aves Passeriformes Tyrannidae --
Caracara plancus carcará, caracará Aves Falconiformes Falconidae --
Cariama cristata seriema Aves Cariamiformes Cariamidae --
Casiornis fuscus caneleiro-enxofre Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Cathartes aura urubu-de-cabeça-vermelha Aves Cathartiformes Cathartidae --
Cathartes burrovianus urubu-de-cabeça-amarela Aves Cathartiformes Cathartidae --
Charadrius wilsonia batuíra-bicuda Aves Charadriiformes Charadrii --
Charitospiza eucosma mineirinho Aves Passeriformes Emberizidae --
Cnemotriccus fuscatus guaracavuçu Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Colonia colonus viuvinha Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Coragyps atratus urubu-de-cabeça-preta Aves Cathartiformes Cathartidae --
Corythopis delalandi estalador Aves Passeriformes Rhynchocyclidae --
Crax fasciolata mutum-de-penacho Aves Galliformes Cracidae --
Crypturellus parvirostris inhambu-chororó Aves Tinamiformes Tinamidae --
Crypturellus undulatus Jaó Aves Tinamiformes Tinamidae --
Cyanocorax cristatellus gralha-do-campo Aves Passeriformes Corvidae --
Cypsnagra hirundinacea bandoleta Aves Passeriformes Thraupidae --
Dendrocygna viduata irerê Aves Anseriformes Anatidae --
Diopsittaca nobilis maracanã-pequena Aves Psittaciformes Psittacidae --
Egretta thula garça-branca-pequena Aves Pelecaniformes Ardeidae --
Elaenia chiriquensis chibum Aves Passeriformes Tyrannidae Elaeniinae
Elaenia cristata guaracava-de-topete-uniforme Aves Passeriformes Tyrannidae --
Elaenia flavogaster guaracava-de-barriga-amarela Aves Passeriformes Tyrannidae --
Elaenia parvirostris guaracava-de-bico-curto Aves Passeriformes Tyrannidae Elaeniinae
Elanoides forficatus gavião-tesoura Aves Accipitriformes Accipitridae --
Elanus leucurus gavião-peneira Aves Accipitriformes Accipitridae --
Empidonomus varius peitica Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Euscarthmus rufomarginatus maria-corruíra Aves Passeriformes Tyrannidae --
Falco femoralis falcão-de-coleira Aves Falconiformes Falconidae --
Falco rufigularis cauré Aves Falconiformes Falconidae --
Falco sparverius quiriquiri Aves Falconiformes Falconidae --
Fluvicola albiventer lavadeira-de-cara-branca Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Forpus xanthopterygius tuim Aves Psittaciformes Psittacidae --
Gampsonyx swainsonii gaviãozinho Aves Accipitriformes Accipitridae --
Geranoaetus albicaudatus gavião-de-rabo-branco Aves Accipitriformes Accipitridae --
Geranoaetus melanoleucus Águia chilena Aves Accipitriformes Accipitridae --
Geranospiza caerulescens gavião-pernilongo Aves Accipitriformes Accipitridae --
Hemitriccus margaritaceiventer sebinho-de-olho-de-ouro Aves Passeriformes Rhynchocyclidae --
Hemitriccus striaticollis sebinho-rajado-amarelo Aves Passeriformes Rhynchocyclidae --
Herpetotheres cachinnans acauã Aves Falconiformes Falconidae --
Herpsilochmus longirostris chorozinho-de-bico-comprido Aves Passeriformes Thamnophilidae --
Heterospizias meridionalis gavião-caboclo Aves Accipitriformes Accipitridae --
Hirundinea ferruginea gibão-de-couro Aves Passeriformes Tyrannidae --
Ibycter americanus gralhão Aves Falconiformes Falconidae --
Ictinia plumbea sovi Aves Accipitriformes Accipitridae --
Jacana jacana jaçanã Aves Charadriiformes Jacanidae --
Laterallus viridis sanã-castanha Aves Gruiformes Rallidae --
Lathrotriccus euleri enferrujado Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Legatus leucophaius bem-te-vi-pirata Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Leptopogon amaurocephalus cabeçudo Aves Passeriformes Rhynchocyclidae --
Megarynchus pitangua neinei Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Melanopareia torquata tapaculo-de-colarinho Aves Passeriformes Melanopareiidae --
Mergus octosetaceus pato-mergulhão Aves Anseriformes Anatidae --
Mesembrinibis cayennensis coró-coró Aves Pelecaniformes Threskiornithidae --
Milvago chimachima carrapateiro Aves Falconiformes Falconidae --
Mycteria americana cabeça-seca Aves Ciconiiformes Ciconiidae --
Myiarchus ferox maria-cavaleira Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Myiarchus swainsoni irré Aves Passeriformes Tyrannidae --
Myiarchus tyrannulus maria-cavaleira-de-rabo-enferrujado Aves Passeriformes Tyrannidae --
Myiodynastes maculatus bem-te-vi-rajado Aves Passeriformes Tyrannidae --
Myiopagis gaimardii maria-pechim Aves Passeriformes Tyrannidae --
Myiopagis viridicata guaracava-de-crista-alaranjada Aves Passeriformes Tyrannidae --
Myiophobus fasciatus filipe Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Myiozetetes cayanensis bentevizinho-de-asa-ferrugínea Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Neothraupis fasciata cigarra-do-campo Aves Passeriformes Thraupidae --
Nothura maculosa codorna-amarela Aves Tinamiformes Tinamidae --
Orthopsittaca manilata maracanã-do-buriti Aves Psittaciformes Psittacidae --
Pachyramphus polychopterus caneleiro-preto Aves Passeriformes Tityridae --
Pachyramphus validus caneleiro-de-chapéu-preto Aves Passeriformes Tityridae --
Pachyramphus viridis caneleiro-verde Aves Passeriformes Tityridae --
Penelope superciliaris jacupemba Aves Galliformes Cracidae --
Phalacrocorax brasilianus biguá Aves Suliformes Phalacrocoracidae --
Philohydor lictor bentevizinho-do-brejo Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Platyrinchus mystaceus patinho Aves Passeriformes Insertae Sedis --
Podilymbus podiceps mergulhão-caçador Aves Podicipediformes Podicipedidae --
Porzana albicollis sanã-carijó Aves Gruiformes Rallidae --
Pyrocephalus rubinus príncipe Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Rhea americana ema Aves Struthioniformes Rheidae --
Rhynchotus rufescens perdiz Aves Tinamiformes Tinamidae --
Rupornis magnirostris gavião-carijó Aves Accipitriformes Accipitridae --
Sarcoramphus papa urubu-rei Aves Cathartiformes Cathartidae --
Satrapa icterophrys suiriri-pequeno Aves Passeriformes Tyrannidae Fluvicolinae
Serpophaga nigricans joão-pobre Aves Passeriformes Tyrannidae --
Sirystes sibilator gritador Aves Passeriformes Tyrannidae --
Tachybaptus dominicus mergulhão-pequeno Aves Podicipediformes Podicipedidae --
Taoniscus nanus inhambu-carapé Aves Tinamiformes Tinamidae --
Theristicus caudatus curicaca Aves Pelecaniformes Threskiornithidae --
Tigrisoma lineatum socó-boi Aves Pelecaniformes Ardeidae --
Tityra cayana anambé-branco-de-rabo-preto Aves Passeriformes Tityridae --
Tityra inquisitor anambé-branco-de-bochecha-parda Aves Passeriformes Tityridae --
Todirostrum cinereum ferreirinho-relógio Aves Passeriformes Rhynchocyclidae --
Tolmomyias flaviventris bico-chato-amarelo Aves Passeriformes Rhynchocyclidae --
Tolmomyias sulphurescens bico-chato-de-orelha-preta Aves Passeriformes Rhynchocyclidae --
Tyrannus albogularis suiriri-de-garganta-branca Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Tyrannus melancholicus suiriri Aves Passeriformes Tyrannidae Tyranninae
Urubitinga coronata águia-cinzenta Aves Accipitriformes Accipitridae --
Urubitinga urubitinga gavião-preto Aves Accipitriformes Accipitridae --
Vanellus cayanus batuíra-de-esporão Aves Charadriiformes Charadrii --
Vanellus chilensis quero-quero Aves Charadriiformes Charadrii --
Xolmis cinereus primavera Aves Passeriformes Tyrannidae --
Xolmis velatus noivinha-branca Aves Passeriformes Tyrannidae --
⇒ Anfíbios
Bufo granulosus Sapo cururu Anfíbios Anura Bufonidae --
Bufo guttatus Sapo cururu Anfíbios Anura Bufonidae --
Bufo ocellatus Sapo cururu Anfíbios Anura Bufonidae --
Bufo paracnemis Sapo cururu Anfíbios Anura Bufonidae --
Dendropsophus rubicundulus Pererequinha-do-brejo Anfíbios Anura Hylidae --
Elachistocleis ovalis Rã-grilo Anfíbios Anura Microhylidae --
Hypsiboas albopunctatus Pererequinha Anfíbios Anura Hylidae --
Hypsiboas raniceps Perereca Anfíbios Anura Hylidae --
Leptodactylus fuscus Rã-assobiadora Anfíbios Anura Leptodactylidae --
Leptodactylus labyrinthicus Rã-pimenta Anfíbios Anura Leptodactylidae --
Leptodactylus ocellatus Rã-manteiga Anfíbios Anura Leptodactylidae --
Physalaemus cuvieri Rã-cachorro Anfíbios Anura Leiuperidae --
Pseudopaludicola mystacalis Anfíbios Anura Leiuperidae --
Scinax fuscomarginatus Perereca Anfíbios Anura Hylidae --
Scinax fuscovarius Perereca Anfíbios Anura Hylidae --
Scinax rostratus Perereca Anfíbios Anura Hylidae --
Scinax ruber Perereca Anfíbios Anura Hylidae --
Siphonops paulensis Cobra-cega Anfíbios Gymnophiona Caeciliidae --
Trachycephalus venulosus Perereca Anfíbios Anura Hylidae --
⇒ Répteis
Ameiva ameiva lagarto Répteis Squamata Teiidae --
Amphisbaena alba Cobra cega Répteis Squamata Amphisbaenidae --
Boa constrictor Jibóia Répteis Squamata Boidae --
Bothrops moojeni Jararaca Répteis Squamata Viperidae --
Cercosaura ocellata Calango, lagartixa listrada Répteis Squamata Gymnophthalmidae --
Chironius flavolineatus Cobra cipó Répteis Squamata Colubridae --
Cnemidophorus Calango Répteis Squamata Teiidae --
Cnemidophorus mumbuca Calango Répteis Squamata Teiidae --
Colobosaura modesta Calanguinho Répteis Squamata Gymnophthalmidae --
Epicrates cenchria Cobra salamanta Répteis Squamata Boidae --
Eunectes murinus Sucuri Répteis Squamata Boidae --
Hemidactylus mabouia lagartixa-doméstica-tropical Répteis Squamata Gekkonidae --
Hoplocercus spinosus Jacarezinho-do-Cerrado Répteis Squamata Hoplocercidae --
Iguana iguana iguana Répteis Squamata Iguanidae --
Mabuya heathi Calango-liso Répteis Squamata Scincidae --
Mabuya nigropunctata Calango-liso Répteis Squamata Scincidae --
Mastigodryas bifossatus Jararacussu-do-brejo Répteis Squamata Colubridae --
Mastigodryas boddaerti Cobra cipó Répteis Squamata Colubridae --
Micrablepharus maximiliani Calanguinho-de-rabo-azul Répteis Squamata Gymnophthalmidae --
Micrurus brasiliensis Cobra-coral Répteis Squamata Elapidae --
Oxybelis aeneus Cobra bicuda Répteis Squamata Colubridae --
Paleosuchus palpebrosus Jacaré-anão, jacaré-paguá Répteis Crocodylia Alligatoridae --
Polychrus acutirostris Papa-vento, Calango-cego Répteis Squamata Polychrotidae --
Tropidurus oreadicus Calango Répteis Squamata Tropiduridae --
Tupinambis duseni Teiú Répteis Squamata Teiidae --
Tupinambis quadrilineatus Teiú Répteis Squamata Teiidae --
Vanzosaura rubricauda Calanguinho-rabo-vermelho Répteis Squamata Gymnophthalmidae --
⇒ Peixes
Acestrocephalus sardina Saicanga Peixes Characiformes Characidae --
Acestrorhynchus falcatus Cachorra Peixes Characiformes Acestrorhynchidae --
Acestrorhynchus microlepis Cachorrinha Peixes Characiformes Acestrorhynchidae --
Aguarunichthys tocantinensis Mandi moela Peixes Siluriformes Pimelodidae --
Boulengerella cuvieri Bicuda Peixes Characiformes Ctenoluciidae --
Brycon fasciatus Matrinxã Peixes Characiformes Characidae --
Crenicichla lugubris Mariana Peixes Perciformes Cichlidae --
Cyphocharax spilurus Piaba Peixes Characiformes Curimatidae --
Eigenmannia trilineata Tuvira Peixes Gymnotiformes Sternopygidae --
Geophagus surinamensis Cará Peixes Perciformes Cichlidae --
Hemiodus ternetzi Jatuarana Peixes Characiformes Hemiodontidae --
Hemiodus unimaculatus Jatuarana Peixes Characiformes Hemiodontidae --
Hoplias malabaricus Traíra Peixes Characiformes Erythrinidae --
Hypostomus emarginatus Cascudo Peixes Siluriformes Loricariidae --
Mylesinus schomburgkii Pacú viradeira Peixes Characiformes Characidae --
Myleus setiger Pacú Peixes Characiformes Characidae --
Myleus torquatus Pacú Peixes Characiformes Characidae --
Retroculus lapidifer Cará Peixes Perciformes Cichlidae --
Tetragonopterus chalceus Pataquinha Peixes Characiformes Characidae --
 
Flora
Nome Científico Nome Popular Ordem Família Sub-Família
Acrocomia aculeata Macaúba, Bocaiúva Arecales Arecaceae (Palmae) --
Acrocomia hassleri Macaúba, Coquinho do campo Arecales Arecaceae (Palmae) --
Anacardium humile Cajuí Sapindales Anacardiaceae --
Anacardium occidentale Cajueiro-comum Sapindales Anacardiaceae --
Anadenanthera colubrina Angico Fabales Fabaceae --
Annona coriacea Araticum, fruta-do-conde Magnoliales Annonaceae --
Astronium fraxinifolium Gonçalo Alves, Gonçaleiro Sapindales Anacardiaceae --
Attalea eichleri Babaçú Arecales Arecaceae (Palmae) --
Attalea spectabilis babaçú, Ataléia Arecales Arecaceae (Palmae) --
Bauhinia rufa Pata-de-vaca Fabales Fabaceae --
Brosimum gaudichaudii Bureré, mamica-de-cadela Rosales Moraceae --
Buchenavia tomentosa tarumarana Myrtales Combretaceae --
Byrsonima crassifolia Murici Malpighiales Malpighiaceae --
Calophyllum brasiliensis landi Malpighiales Clusiaceae --
Caryocar brasiliense Pequi Malpighiales Caryocaraceae --
Caryocar coriacium Pequi sem espinho Malpighiales Caryocaraceae --
Cecropia pachystachya Embaúba, Cecropia Rosales Urticaceae --
Copaifera langsdorffii Copaíba Fabales Fabaceae --
Dalbergia miscolobium Jacarandá do cerrado, caviúna Fabales Fabaceae --
Duguetia furfuracea Araticum, cabeça-de-nego Magnoliales Annonaceae --
Eriotheca gracilipes Paina-do-campo, Paineira-do-cerrado Malvales Bombacaceae --
Eugenia dysenterica Cagaita Myrtales Myrtaceae --
Galeandra styllomisantha Orquídea Asparagales Orchidaceae --
Geonoma brevispatha Palmeira Arecales Arecaceae (Palmae) --
Hancornia speciosa Mangaba, mangabeira Gentianales Apocynaceae --
Himatanthus obovatus Pau-de-leite, Angélica Gentianales Apocynaceae --
Hymenaea stigonocarpa Jatobá Fabales Fabaceae --
Jacaranda praetermissa Jacarandá Lamiales Bignoniaceae --
Mauritia flexuosa Buriti Arecales Arecaceae (Palmae) --
Mauritiella armata Buritirana Arecales Arecaceae (Palmae) --
Mimosa sp. calombi Fabales Fabaceae --
Myracrodruon urundeuva Aroeira Sapindales Anacardiaceae --
Pouteria ramiflora Abio-do-cerrado Ericales Sapotaceae --
Pouteria torta Maçaranduba Ericales Sapotaceae --
Protium heptaphyllum Almecegueira ou Breu-branco Sapindales Burseraceae --
Protium pilosissimum Almecegueira ou breu Sapindales Burseraceae --
Pterodon pubescens Sucupira Fabales Fabaceae --
Qualea parviflora Pau-terra Myrtales Vochysiaceae --
Sclerolobium paniculatum Carvoeiro Fabales Fabaceae --
Solanum lycocarpum Lobeira Solanales Solanaceae --
Stryphnodendron adstringens barbatimão-verdadeiro Fabales Fabaceae --
Syagrus comosa Catolé Arecales Arecaceae (Palmae) --
Syngonanthus nitens Capim-dourado Poales Eriocaulaceae --
Tabebuia aurea Ipê-amarelo Lamiales Bignoniaceae --
Tabebuia impetiginosa Ipê-roxo Lamiales Bignoniaceae --
Tapirira guianensis pau-pombo, camboatá Sapindales Anacardiaceae --
Vochysia divergens Cambará Myrtales Vochysiaceae --
Xylopia aromatica Pindaíba, pimenta-de-macaco Magnoliales Annonaceae --
 
Fatores Bióticos
  • Existem espécies migratórias: Sim
    Espécies migratórias: gavião-peneira (Elanus leucurus), a andorinha-do-campo (Phaeoprogne tapera) e andorinha-doméstica-grande (Progne chalybea).
    Descrição da vegetação:

    A paisagem na região da APA Jalapão é dominada por fitofisionomias campestres, com extensas manchas de formações savânicas, principalmente cerrado ralo. Quase todas as fitofisionomias ocorrem sobre solos arenosos (areia quartzosa), variando apenas o relevo, a profundidade e a drenagem.
    Em determinados locais há afloramentos rochosos esparsos sobre os solos arenosos, onde se verifica o adensamento do estrato arbóreo, formando cerradões em determinados locais. Tão pouco comuns quanto os cerradões, são as matas de galeria, que em raros locais se estendem mais de 10m em cada margem do curso d’água.
    Nas cabeceiras dos cursos d’água são comuns veredas ou matas de galeria inundáveis, circundadas por campos limpos úmidos de ocorrência de capim dourado; muitas vezes córregos inteiros são margeados por estes tipos de vegetação. Apenas córregos de ordem maior parecem propiciar as condições para o aparecimento de matas de galeria não-inundáveis.
    Nos rios da região, as matas ciliares são ainda mais raras que as matas de galerias nos córregos e riachos. Grande parte da extensão do Rio Novo, por exemplo, é margeada por campos limpos úmidos ou secos e cerrados ralos. Apenas abaixo da Cachoeira da Velha formam-se matas ciliares estreitas e falhadas em muitos pontos, onde campos úmidos ou cerrados chegam às margens do rio.
    Sendo o Rio Novo um curso d’água de planície em terreno arenoso, seus meandros e sua dinâmica parecem ser bastante acentuados. Esta condição propicia a formação de lagoas oriundas do antigo leito deste rio. Nestas lagoas marginais existem exuberantes vegetações aquáticas. Há ainda outras lagoas naturais na região, dissociadas de cursos d’água, que também apresentam vegetação aquática, como a lagoa próxima às Dunas da Serra do Espírito Santo.
    O perfil de vegetações, perpendicular aos cursos d’água, mais comum na paisagem do
    Jalapão é descrito a seguir: nos interflúvios predominam campos sujos, baixando no relevo em direção aos cursos d'água formam-se campos cerrados, em seguida cerrados sentido restrito e cerrados densos, em uma faixa estreita antes dos campos limpo seco e limpo úmido que podem chegar até a margem dos cursos d’água, mas na maioria dos casos os riachos e córregos são margeados por matas de galeria estreitas, quase sempre com menos de 20m somando-se as duas margens, ou veredas. Quanto mais declivoso o relevo, mais estreitas são as faixas de vegetação e quanto mais plano mais extensas são as áreas de cada fitofisionomia.
    Nos pontos de amostragem e ao longo das estradas de acesso foram avistadas as seguintes fitofisionomias:

    A)Campestres

    I.Campo limpo
    Fitofisionomia onde as plantas apresentam principalmente hábito herbáceo, sendo raros os arbustos e não existem árvores (RIBEIRO & WALTER, 1998). Na APA Jalapão, esta fitofisionomia se confunde com áreas de campo sujo e parque de cerrado. Em muitos campos sujos os arbustos apresentam-se concentrados, deixando áreas que possuem apenas ervas e subarbustos, que representam em escala bastante detalhada manchas de campo limpo. O mesmo acontece com áreas de parque de cerrado, mas nesta fitofisionomias as árvores é que são concentradas (veja descrições abaixo). As áreas de campo limpo típico, em solos bem drenados, não são muito comuns na região, geralmente ocorrem na transição entre áreas de campo sujo e campo limpo úmido.

    II.Campo limpo úmido
    Subtipo de campo limpo que ocorre em solos permanentemente encharcados (RIBEIRO & WALTER, 1998). Esta fitofisionomia ocorre com bastante freqüência ao lado de matas de galeria e nas cabeceiras de córregos Jalapão.

    III.Campo limpo com Murundus
    Subtipo de campo limpo que apresenta ilhas de solo sob a forma de elevações convexas, denominadas murundus (RIBEIRO & WALTER, 1998). Na APA Jalapão, esta fisionomia é rara, tendo sido avistada numa área próxima a ponte do rio Novo, na sua margem direita.

    IV.Campo sujo
    Vegetação campestre semelhante aos campos limpos, mas que apresentam maior densidade de arbustos, os quais, muitas vezes, são constituídos de espécies arbóreas de cerrado sentido restrito (RIBEIRO & WALTER, 1998). Esta é a fitofisionomia mais comum em todo o Jalapão, apresentando-se em áreas bastante extensas e contínuas, formando uma paisagem homogênea, modificada apenas pelas linhas de drenagem.

    B)Savânicas

    V.Cerrado sentido restrito
    Fitofisionomia característica do bioma Cerrado que apresenta árvores e arbustos espalhados sobre um estrato graminoso. Uma característica marcante das fitofisionomias savânicas e campestres do bioma, bastante evidente nos cerrados sentido restrito, são as plantas lenhosas com tronco retorcido e de casca de cortiça grossa, com gemas pilosas e folhas rígidas (RIBEIRO & WALTER, 1998). Na APA Jalapão, as áreas desta fitofisionomia não são extensas, sendo mais comum o subtipo cerrado ralo.

    VI.Cerrado ralo
    Subtipo de cerrado onde a densidade do estrato arbóreo é menos densa, formando uma cobertura de 5% a 20% e altura média de dois a três metros (RIBEIRO & WALTER, 1998).

    VII.Cerrado denso
    Subtipo de cerrado onde o estrato arbóreo apresenta uma cobertura de 50% a 70% e uma altura média de cinco a oito metros (RIBEIRO & WALTER, 1998). Fitofisionomia mais rara do que o cerrado sentido restrito no Jalapão, que ocorre principalmente onde o solo arenoso apresenta afloramentos rochosos esparsos.

    VIII.Cerrado rupestre
    Subtipo de cerrado característico de solos litólicos, apresentando cobertura arbórea de 5% a 20% e altura média de dois a quatro metros (RIBEIRO & WALTER, 1998). Esta fitofisionomia ocorre principalmente na base e topo das serras.

    IX.Parque de cerrado
    Formação savânica caracterizada pela presença de árvores agrupadas em murundus, os quais podem apresentar um desnível imperceptível ao restante do terreno. As árvores formam ilhas em meio a uma vegetação predominantemente campestre (RIBEIRO & WALTER, 1998). Na APA Jalapão, esta fitofisionomia apresenta geralmente murundus imperceptíveis e ilhas de árvores não muito definidas. A densidade de árvores parece ser menor do que em áreas de cerrado ralo.

    X.Vegetação esparsa sobre dunas
    Formação característica das dunas, proveniente da erosão de algumas serras, com flora de cerrado. A vegetação é mais densa na margem externa das dunas, onde existem árvores e arbustos muitas vezes com os troncos enterrados pela areia e com as copas cobertas com trepadeiras.

    XI.Vereda
    Fitofisionomia caracterizada pela presença da palmeira Mauritia flexuosa (buriti) distribuída de forma esparsa, sem que as copas dos indivíduos se toquem, circundadas por estrato mais ou menos denso de espécies arbustivo-herbáceas (RIBEIRO & WALTER, 1998). Esta vegetação é bastante comum nas cabeceiras dos cursos d’água do Jalapão, até o trecho em que os córregos apresentam calha definida. Esta fitofisionomia está associada aos campos limpos úmidos e às matas de galeria inundáveis, as quais ocorrem em solos com lençol freático raso (RIBEIRO & WALTER, 1998).

    C)Florestais

    XII.Cerradão
    Vegetação com dossel definido, florestal, onde ocorrem espécies características de cerrado e mata (RIBEIRO & WALTER, 1998). A cobertura do dossel pode variar de 50% a 90% e altura média de 8 a 15 metros. Esta fitofisionomia é rara na região do Jalapão, ocorrendo geralmente em pequenas manchas de poucos hectares associadas a solos arenosos com afloramento de rocha.

    XIII.Mata de galeria não-inundável
    Matas de galeria são as formações florestais que acompanham córregos e rios de pequeno porte na região do Cerrado. As copas das árvores das duas margens dos cursos d’água são geralmente encostadas, formando um corredor (RIBEIRO & WALTER, 1998). O subtipo não-inundável indica a ocorrência desta fitofisionomia em solos bem drenados, mesmo na época chuvosa (RIBEIRO & WALTER, 1998). Na APA Jalapão, estas florestas são mais comuns em porções de cursos d’água de primeira ordem (sem afluente) mais distantes da cabeceira, ou em córregos e riachos de segunda ordem (pelo menos um afluente), ou ordens maiores.

    XIV.Mata de galeria inundável
    Subtipo de mata de galeria que ocorre em solos mal drenados, onde o lençol freático aflora a maior parte do ano, mesmo durante a época da seca (RIBEIRO & WALTER, 1998). Este é o tipo de mata de galeria mais comum no Jalapão, sendo ainda mais freqüente ao longo dos cursos d’água de primeira ordem.

    XV. Mata ciliar
    Floresta que acompanha rios de médio e grande porte do cerrado. Como as margens dos cursos d’água estão distantes umas das outras, a vegetação não forma corredor sobre os rios (RIBEIRO & WALTER, 1998). Esta fitofisionomia é pouco freqüente no Jalapão, sendo que ocorre em certos trechos dos rios Novo e do Sono.

    D)Aquáticas

    XVI.Vegetação lacustre
    Fisionomia associada a ambientes lênticos, dominada por plantas aquáticas. Estas plantas distribuem-se, em um mesmo lago, em comunidades distintas dependendo da região lacustre (determinada pela profundidade) em que se encontram. Na APA Jalapão, existem diversas lagoas principalmente nas proximidades do rio Novo, onde se desenvolvem vegetações lacustres, mas em grande parte dos cursos d’água formam-se pequenas poças de água parada, que propiciam a ocorrência de plantas aquáticas.

    E)Ambientes antropizados
    Os principais ambientes antropizados encontrados na região do PEJ e entorno são: estradas, cascalheiras, roças, plantações, pastagens, casas isoladas, povoados e cidades.


    Espécie endêmica da : Acosmium subelegans (LEGUMINOSAE). Espécie listada como endêmica de locais específicos no Cerrado (MMA, 1999). Andira cordata (LEGUMINOSAE). Espécie listada como endêmica de locais específicos no Cerrado (MMA, 1999). Parkia platycephala (LEGUMINOSAE). Espécie listada como endêmica de locais específicos no Cerrado (MMA, 1999).
    Espécie endêmica da fauna: Raposinha (Lycalopex vetulus) Meia-lua-do-cerrado (Melanopareia torquata) Chorozinho-de-bico-comprido (Herpsilochmus longirostris) Soldadinho (Antilophia galeata) Gralha-do cerrado (Cyanocorax cristatellus) Pula-pula-de-sobrancelha (Basileuterus leucophrys) Inhambu-carapé (Taoniscus nanus) Maria-corruíra (Euscarthmus rufomarginatus) Batuqueiro (Saltator atricollis) Mineirinho (Charitospiza eucosma) Cigarra-do-campo (Neothraupis fasciata) Bandoleta (Cypsnagra hirundinacea)
Fatores Abióticos
  • Descrição do relevo:

    PATAMARES LESTE DO TOCANTINS: Apenas porção da APA Jalapão que circunda o Parque Estadual do Jalapão (leste, sul e oeste) localiza-se na unidade geomorfológica Patamares Leste do Tocantins. Dois níveis altimétricos distintos caracterizam a unidade: a superfície mais baixa, entre 400 e 500m, e a superfície das serras, entre 700 e 790m. Ambos são esculpidos sobre arenitos cretácicos da Formação Urucuia, constituída por uma sucessão de camadas de arenitos de cores variegadas, de sedimentação eólica e lacustrina, com estratificações cruzadas ou laminares (ZEE, 2002). Os dois níveis altimétricos que configuram a unidade Patamares Leste do Tocantins na APA foram elaborados sobre essa sucessão de arenitos de origem eólica e lacustre, durante as mudanças climáticas que atuaram por sobre todo o continente sul americano. Assim, durante as fases climáticas secas, o relevo esculpido sobre esse pacote sedimentar arenoso era aplanado por processos de intemperismo físico, originando extensas superfícies planas. E durante as fases climáticas úmidas o intemperismo químico atuando sobre o pacote rochoso, e a rede de drenagem mais vigorosa, entalhavam verticalmente a paisagem, dando origem aos vales e às atuais serras. A porção da APA ao sul do Parque Estadual do Jalapão se constitui de estreita faixa de terrenos com largura que varia de 2 km a 3 km. Nessa faixa, correm cursos d’água afluentes do rio Preto (com extensão em torno de 2,5 km) sobre pedimentos da serra do Espírito Santo. PLANALTO RESIDUAL DO TOCANTINS: Na APA Jalapão, o Planalto Residual do Tocantins desenvolve-se para oeste da escarpa da serra do Jalapão até o rio do Sono, a norte e nordeste, e o rio Vermelho, a sul e sudoeste. O relevo se desenvolve notadamente na região interfluvial sobre rochas carboníferas da Formação Pedra de Fogo, constituída calcarenito e pelito laminado de cor cinza avermelhada a preta com geometria lenticular e tabular (ZEE, 2002). Próximas aos vales, afloram rochas permianas da Formação Piauí, constituída de arenitos de granulação fina a média, pelitos e folhelhos avermelhados com marcas de ondas e laminação plano paralela. (ZEE, 2002). Estes arenitos ocorrem em morros testemunhos ou escarpas verticalizadas, controladas por fraturas ao longo dos rios principais (rio do Sono e Perdida) e seus tributários, constituindo a porção superior da seqüência sedimentar. Na porção média da formação há uma seqüência mais pelítica com siltitos e arenitos finos, endurecidos, condicionando o intenso ravinamento da drenagem e a formação de cachoeiras nos ribeirões secundários. Na base, predomina um arenito
    médio a grosseiro com conglomerado basal ocorrente no rio do Sono. Esse conglomerado aparece ainda acima do arenito superior da Formação Poti, representado por extensos cascalheiros com espessuras que chegam a atingir 20 metros.


    Descrição do Solo:

    Os solos da APA Jalapão foram caracterizados e classificados segundo o Sistema
    Brasileiro de Classificação de Solos em vigor (EMBRAPA, 1999).
    CAMBISSOLOS
    Solos constituídos por material mineral com horizonte B incipiente abaixo do horizonte A ou de horizonte hístico com espessura inferior a 40 cm.

    CAMBISSOLOS HÁPLICOS
    Solos minerais, não hidromórficos, sem horizonte hístico ou A húmico sobre horizonte B do tipo incipiente que se trata de horizonte pouco evoluído, no qual se manifestam apenas características de cor e/ou estrutura, sem haver outras características indicadoras de maior evolução, necessárias para caracterizar horizontes mais evoluídos tais como B textural, B latossólico, B espódico ou horizonte plíntico.

    GLEISSOLOS:Solos minerais hidromórficos, com horizontes glei abaixo do horizonte superficial A ou de horizonte hístico com menos de 40 cm; ou horizonte glei começando dentro de 50 cm da superfície sem nenhum tipo de horizonte diagnóstico acima do horizonte glei ou sem horizonte plíntico ou vértico ou B textural com mudança textural abrúptica coincidente com horizonte glei.

    GLEISSOLOS HÁPLICOS
    São Gleissolos que não apresentam dentro de 100 cm da superfície, horizontes sulfúricos e/ou materiais sulfídricos, caráter sálico e também não apresentam nenhum dos seguintes horizontes superficiais: H hístico, A húmico, chernozêmico ou proeminente. Originam-se de sedimentos areno-argilosos de natureza aluvio-coluvionar.

    LATOSSOLOS: Nesta Ordem estão compreendidos solos de boa drenagem, caracterizados por apresentarem um horizonte B latossólico sob vários tipos de horizontes diagnósticos superficiais, exceto H hístico. Seu elevado grau de intemperismo é responsável por quantidades muito baixas de elementos nutrientes, refletidos nos baixos valores de soma e saturação de bases.

    LATOSSOLOS VERMELHOS (Latossolos Vermelho-Escuros)
    São solos minerais, profundos, bastante intemperizados, caracterizados por apresentar um horizonte B latossólico de cores vermelho-escuras, no matiz 2,5 YR ou mais vermelhas na maior parte dos primeiros 100 cm do horizonte B, inclusive BA.
    Apresentam textura argilosa e média na área das APA, e estão associados a litologias da Cobertura Terciária Detítico-Laterítica no alto dos relevos residuais, e a arenitos nas demais situações.

    NEOSSOLOS LITÓLICOS (Solos Litólicos)
    São solos minerais não hidromórficos, pouco desenvolvidos, muito rasos ou rasos, com
    horizonte A sobre a rocha, ou sobre horizonte C ou Cr, ou sobre material com 90% ou mais de sua massa (por volume) constituída por fragmentos de rocha, com diâmetro maior que 2mm e que apresentam um contato lítico dentro de 50 cm da superfície do solo. São solos com textura variável e muito heterogêneos quanto a suas propriedades
    químicas, porém são no presente caso distróficos e com textura média e arenosa.

    NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS
    Solos constituídos por material mineral, com seqüência de horizontes A-C, sem contato
    lítico dentro de 50cm de profundidade, apresentando textura areia ou areia franca nos horizontes até, no mínimo, a profundidade de 150cm a partir da superfície do solo ou até um contato lítico; essencialmente quartzosos, tendo nas frações areia grossa e areia fina 95% ou mais de quartzo, calcedônia e opala e, praticamente ausência de minerais alteráveis (menos resistentes ao intemperismo).

    Neossolos Quartzarênicos Órticos (Areias Quartzosas)
    Compreende solos minerais arenosos, bem a fortemente drenados, normalmente
    profundos ou muito profundos. Têm seqüência de horizontes do tipo A (moderado) e C.
    Possuem textura nas classes areia e areia franca até pelo menos 2 metros de
    profundidade. São solos normalmente muito pobres, com baixa capacidade de troca de cátions e baixa saturação de bases, devido principalmente ao reduzido conteúdo de argila. Têm cores amarelas e vermelho-amareladas, baixa fertilidade natural, baixa capacidade de retenção de água e de nutrientes, excessiva drenagem e grande propensão ao desenvolvimento de erosão profunda (voçorocas e ravinas). Ocorrem na área geralmente em relevo que varia do plano ao suave ondulado, sob vegetação de Cerrado e Campo Cerrado e têm como material de origem arenitos diversos.

    ORGANOSSOLOS (Solos Orgânicos):Compreende solos pouco evoluídos, constituídos por material orgânico proveniente de acumulações de restos vegetais em grau variado de decomposição, acumulados em ambientes mal a muito mal drenados, ou em ambientes úmidos de altitude elevada, que estão saturados com água por poucos dias no período chuvoso, de coloração preta, cinzenta muito escura ou marrom e com elevados teores de carbono orgânico.

    ORGANOSSOLOS HÁPLICOS
    Assim são denominados solos que não apresentam horizonte sulfúrico e ou materiais
    sulfídricos dentro de 100 cm da superfície, nem horizonte hístico assente diretamente sobre contato lítico. Usualmente são solos fortemente ácidos, apresentando alta capacidade de troca de cátions e baixa saturação por bases. As cores são geralmente pretas, o lençol freático está à superfície pela maior parte do tempo e a sua utilização agrícola requer um manejo muito criterioso da água, visto que a maior parte de sua constituição é água. Ocorrem em condição de relevo plano sob vegetação natural de Vereda Tropical.


    Descrição da geologia:

    A rede de drenagem da APA Jalapão é comandada pelo rio do Sono, formado pelos rios
    Soninho e Novo. O padrão de drenagem tende a ser dendrítico e paralelo, com densidade de drenagem média. Há grande infiltração de águas pluviais no arenito que compõe a área, tornandoa um grande manancial de águas subsuperficiais.
    De acordo com o ZEE (2002), a maior parte da região da APA do Jalapão, notadamente a parte leste e centro, é constituída por arenitos cretácicos da Formação Urucuia (Ku), formada por uma sucessão de camadas de arenitos de cores variegadas, de sedimentação eólica e lacustrina, com estratificações cruzadas ou laminares. São solos pouco profundos a rasos, com pequena diferenciação de horizontes, sem acumulação de argila, com textura média, podendo ocorrer cascalhos. As cores são variáveis, desde amareladas até avermelhadas.


    Descrição da hidrologia:

    Foram considerados os ambientes condicionantes do fluxo hidrológico e o balanço
    hidrológico relacionado com as etapas do ciclo hidrológico na bacia do Alto Rio do Sono.
    O primeiro passo para a compreensão da dinâmica das águas na APA Jalapão, considerada por meio de uma perspectiva integrada, foi a definição e mapeamento dos ambientes condicionantes do fluxo hidrológico. São apontados, em meso-escala, sete ambientes: (1) Topo de Chapada; (2) Escarpas de Chapada; (3) Superfície Jalapão; (4) Fundos de Vales Úmidos – veredas; (5) Áreas de Arenização; (6) Testemunhos Degradados e; (7) Superfície Ponte Alta.
    Topos de Chapadas: Trata-se da superfície tabular plano-paralela das serras do Espírito Santo, Jalapinha e do Porco. São as superfícies residuais da borda oeste do alto estrutural que conformam o amplo interflúvio que separa as bacias do Tocantins (oeste), São Francisco (leste) e Parnaíba (nornordeste). Apresentam altitudes que variam entre 750 e 800 metros constituídos por arenitos da formação Urucuia. As litologias dominantes da formação Urucuia são constituídas por seqüências de camadas de arenitos finos a médios, com cimento argilo-siltoso, gerados por sedimentação eólica
    e lacustre, com estratificação cruzada de pequena amplitude. Os solos dos Topos de Chapadas são profundos e classificados como Latossolos Amarelos, com textura arenosa a média. São recobertos por vegetação de cerrado senso restrito que, nas áreas de maior concentração de umidade, tendem a apresentar-se com árvores de porte mais elevado.
    Escarpas de Chapadas: As Escarpas de Chapadas apresentam desníveis de cerca de 250 a 300 metros, com angulação de quase 90º, caracterizando a topografia as bordas das chapadas, esculpidas nos arenitos da formação Urucuia. As Escapas de Chapadas revelam as condições lito-tectônicas dos arenitos da formação Urucuia, pois são visíveis espelhos de falha com exposições de estratificações típicas dos ambientes deposicionais eólios e lacustres.
    Superfície Jalapão: Corresponde às superfícies dissecadas em ravinas e mesas, com
    altitudes entre 400 e 550 m. Apresentam relevo plano a suave-ondulado, com solos profundos e arenosos (Areias Quartzosas). São extensas superfícies interfluviais recobertas de campos cerrados anualmente carbonizados por ação de pecuaristas, o que permite ampla exposição do solo ao impacto das intensas chuvas que ocorrem durante a Primavera/Verão. A base da Superfície Jalapão é constituída por arenitos da formação Pedra de Fogo ou, ainda, pela porção basal dos arenitos da formação Urucuia.
    Fundos de Vales Úmidos: Os principais rios entalham-se nos arenitos da formação Pedra de Fogo e eventuais soleiras de maior resistência condicionam a existência de rápidos e corredeiras. O processo erosivo fluvial promove o maior aprofundamento dos canais por meio da erosão remontante e provoca o aparecimento de importantes cachoeiras e quedas d’água, como aquelas notadas nos setores mais próximos da
    confluência entre os rios Soninho e Novo. A montante das soleiras encachoeiradas formam-se várzeas mais extensas, que nos rios mais caudalosos meandram, de permeio, as aluviões recentes. São as várzeas enveredadas que apresentam vegetação campestre perene e sempre-verde, com predomínio de gramíneas e
    ciperáceas. Matas ciliares apresentam-se nos entornos imediatos aos canais fluviais, onde o buriti é presença obrigatória.
    Áreas de Arenização: Trata-se de uma área, em particular, situada na porção sudoeste da serra do Espírito
    Santo, onde se encontra relativamente ativo um campo de dunas. São areias originadas das escarpas da própria serra que, no setor mencionado apresenta fácies de natureza mais arenosa.
    Testemunhos Degradados: Trata-se de restos da superfície correspondente aos ambientes dos Topos de Chapadas, construídos em arenitos da formação Urucuia. Localizam-se nos arredores das Escarpas das Chapadas e, por tudo e em tudo, assemelham-se a elas. Os Testemunhos Degradados compreendem ambientes extremamente frágeis, pois apresentam solos litólicos, elevada declividade e cobertura vegetal incipiente. O fluxo hídrico neste ambiente é predominantemente superficial; entretanto, dada sua área pouco representativa no interior da APA Jalapão, os Testemunhos Degradados não chegam a influenciar significativamente na dinâmica das águas.
    Superfície Ponte Alta: A Superfície Ponte Alta corresponde a um nível inferior da Superfície Jalapão, correlacionando-se com o afloramento dos arenitos da formação Pedra de Fogo. Na área da APA Jalapão associa-se às áreas dissecadas pelos entalhes fluviais dos baixos cursos dos rios Novo e Soninho, a montante da confluência de ambos.Pelo fato de a Superfície Ponte Alta ocorrer associada a entalhes fluviais, esta apresenta grande importância hidrológica para a APA Jalapão, pois as vertentes pedregosas dos rios Novo e Soninho comparecem com exsutórios de excelência.


    Clima:

    O clima da região centro-oeste do Estado do Tocantins resulta da interação entre a
    dinâmica atmosférica e os atributos da paisagem que alteram os fluxos da matéria e energia advectivos inerentes aos diferentes sistemas da circulação regional.
    A predominância de sistemas de circulação tropical em franco processo de continentalização dota a área de estudo de forte conteúdo energético traduzido pela elevada disponibilidade de calor sensível e grande capacidade evaporativa do ar.
    Duas estações contrastantes, o período chuvoso com a expansão do ar continental
    amazônico e o período seco, com o deslocamento de parte significativa do Anticlone Tropical do Atlântico Sul para o interior do continente sul-americano.
    O caráter tropical da circulação atmosférica condiciona a existência de um ambiente climático marcado pela alta energia durante o ano inteiro. A diferenciação climática regional verifica-se pela alternância do predomínio de sistemas de circulação de alta umidade em contraste com a presença de sistemas carentes de umidade.
    A atuação dos sistemas de circulação derivados da expansão dos volumes de ar que transitam sobre a Amazônia, com forte significância durante o período de novembro a abril, provoca o tempo instável que caracteriza a estação chuvosa.
    Sob a ação do ar continental úmido, entre outubro e abril, são precipitadas quantidades de chuvas sempre superiores a 90% em relação ao total médio anual caracterizando uma estação pluvial relativamente intensa, com cerca de sete meses.
    A partir do final do Outono até o início da Primavera, com destaque para o Inverno, ocorre a expansão sobre a porção central da América do Sul do Anticiclone Tropical do Atlântico Sul, inflado pela forte atuação do Anticiclone Polar Atlântico.
    Os sistemas atmosféricos derivados da circulação deste anticiclone são portadores de elevado grau de estabilidade sobre o continente, embora possam provocar instabilidade ao longo do litoral brasileiro e sob a influência da orografia. Entretanto, apesar de as chapadas atingirem altitudes superiores a 700 metros, estas são insuficientes para perturbar o fluxo das correntes estáveis do Anticiclone do Atlântico Sul, que fluem na região através de ventos que sopram de Leste a Nordeste.
    Assim, sob a influência do sistema de circulação do Anticiclone do Atlântico Sul, observa-se o tempo estável com tardes quentes e muito secas, em contraste com as madrugadas frescas ou, por vezes, frias. A escassez das chuvas é demonstrada pelo percentual que variam entre 5% e 9% em relação ao total anual médio, com ocorrência registrada de maio a setembro.


    Pluviosidade: 1.500mm a 1.700mm
    Temperatura máxima: 28,6°
    Temperatura média: 25,7°
    Temperatura mínima: 22,7°
    Altitude máxima: 800
    Altitude mínima: 294 m
Projetos de Biodiversidade

Nenhuma informação disponível!

Áreas Protegidas - Telefone: (63) 3218-2678